Índio maromomi

Os maromomis, índios da nação jê, falavam uma língua que o português descrevia como travada, difícil de pronunciar. Pertenciam a um grupo índios diferente dos tupiniquins.

Eles se afastaram de suas aldeias que ficavam nas margens do Rio Paraná por não aceitar ser subordinado as ordens dos chefes e da sua sociedade. Por isso, perambularam em pequenos grupos familiares, até chegarem aos vastos campos das margens do rio anhenby, (Tietê), região onde é hoje a Grande São Paulo.

Esses índios viviam em cavernas que cavavam nas encostas dos morros ou mesmo em buracos no chão, sempre com entrada disfarçada com folhas. Isso para não serem descobertos e caçados pelos tupiniquins e posteriormente pelo português.

Com hábitos coletores, consumiam o que a natureza oferecia, e de maneira auto-sustentável, quando as frutas e os animais se tornavam escassos, logo se transferiam. Também abandonavam seus abrigos quando percebiam o tupiniquim ou o português.

Viviam nus e adornavam pouco o corpo. Cobrir o corpo com barro estava mais relacionado à proteção contra mosquitos do que a vaidade. O repertorio de cantos e danças era bem reduzido comparado com os Tupis.

Dóceis, não realizavam a antropofagia. A sua defesa sempre foi à fuga.

Quando capturados pelos tupiniquins, eram levados para a aldeia e não tentavam fugir, pois isso seria uma das maiores vergonha.

Lá, na aldeia do tupiniquim, o prisioneiro maromomis esperava pacificamente o momento de sua execução nos rituais antropofágicos dos tupiniquins.

Talvez esta docilidade e o fato de que se capturados não fugiam, tenham feito deste grupo de índios o mais cobiçado pelos portugueses para trabalhos escravo, no inicio da colonização de São Paulo.

Em 1553, os maromomis, perceberam  que os portugueses acompanhados dos índios tupiniquins estavam construindo uma aldeia entre os rios Anhagabaú e Piratininga, abandonaram aquela região e se espalharam pela Serra da Jaguamimbaba (Serra da Cantareira), Barueri, Pinheiros, São Miguel.

Em 1560, os jesuítas preocupados com o afastamentos dos índios que habitava naturalmente a região do pátio do colégio são bento e incentivados pela cora portuguesa em ocupar a colônia, organizaram os primeiros aldeamentos em áreas em volta do colégio são bento.

O padre Manuel Paiva Formou então, um grupo com jesuítas, portugueses e índios tupiniquins abrindo caminho pelas densas florestas.

E em 8 de dezembro houve o encontro entre os maromomis, tupiniquins, jesuítas e portugueses. Foi então que o tupiniquim apelidou os maromomis de guaru, por serem barrigudos e pequenos. Nessa época os tupiniquins apresentavam para os primeiros paulistas a sua forma de ver e compreender a região que esta hoje a grande São Paulo, assim Manuel Paiva adotou o apelido de guaru como sendo a identificação daquele grupo de índios.

E assim, da relação dos povos e uma missigenação dos fonemas surgiu a palavra guarulhos, que veio a ser o nome de uma grande cidade Brasileira.

grafite na praça IV centenário em Guarulhos. Guarus ou maromomis quem são os indios da nossa terra____________________
por: Eduardo do Nascimento

7 comentários sobre “Índio maromomi

Deixe uma resposta